Centrão firma-se como força política na Câmara e demonstra poder de Cunha

© Reuters.  Centrão firma-se como força política na Câmara e demonstra poder de Cunha© Reuters. Centrão firma-se como força política na Câmara e demonstra poder de Cunha

 

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – Extraoficialmente apelidado de Frente Ordem e Progresso, em referência ao slogan da gestão do presidente interino Michel Temer e formado por 13 partidos e mais de 200 deputados, o centrão constitui uma base forte de sustentação ao governo na Câmara, mostra a contínua força do presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e pode fazer o Executivo de refém.

Oficializado nesta semana, o bloco conta com a participação dos mesmos partidos que integravam a base da presidente Dilma Rousseff, afastada por até 180 dias para responder a um processo de impeachment. Foram decisivos para imprimir derrotas à petista na Câmara, incluindo a própria aprovação da abertura do impeachment.

“O nosso objetivo é ser um conjunto de força política com agenda própria, garantindo a governabilidade do governo, mas com pensamento propositivo, não somente reativo ou passivo”, disse o deputado Rogério Rosso (DF), líder do PSD, à Reuters.

Formado pelo PP, PR, PSD, PRB, PSC, PTB, SD, PHS, PROS, PSL, PTN, PEN e PTdoB, o centrão evidencia, na opinião do líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), o poderio que Eduardo Cunha ainda exerce na Casa.

“Esse bloco é liderado por Eduardo Cunha, que é aliado de Michel Temer… tanto que a liderança do governo é dedicada a André Moura, um dos mais fiéis sócios de Eduardo Cunha”, disse o líder petista à Reuters, referindo-se à indicação do deputado André Moura (PSC-SE) para a liderança do governo na Câmara.

O nome foi sugerido a Temer pelo centrão. O presidente interino, na chefia do Executivo há pouco mais de uma semana, não simpatizava com a ideia de nomear como representante do governo um parlamentar dos mais próximos a Cunha e com uma ficha corrida que inclui seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) –de apropriação indébita à acusação de tentativa de homicídio– e investigações na operação Lava Jato por corrupção ativa, passiva e formação de quadrilha.

Temer teve de ceder, no entanto, à explícita e necessária maioria numérica que o bloco representa, e indicou Moura para a liderança do governo na Câmara. O governo precisará da numerosa frente se quiser aprovar as medidas que considera prioritárias, como a alteração da meta do resultado fiscal e uma planejada reforma da Previdência.

A disputa pela nomeação de líder do governo, aliás, denotou que apesar de alinhados ao governo, os parlamentares que compõem o bloco têm demandas.

Antes mesmo de Temer assumir a Presidência, poucos dias após a aprovação da admissibilidade do impeachment de Dilma na Câmara, representantes do grupo já mostravam a que vieram e diziam a Temer e a seus auxiliares: acordos firmados teriam de ser cumpridos e a disposição de cargos teria de refletir a correlação de forças desenhada no Parlamento.

“Quem ganhou foi Eduardo Cunha”, acusou Florence. “Esse governo tem a cara de Eduardo Cunha. Temer está na mão dele.”

Cunha, em contrapartida, afirmou na última quinta-feira, em depoimento ao Conselho de Ética da Câmara, onde responde a um processo de cassação, que não indicou “um alfinete” para o governo. E que se assim tivesse feito, não estaria implicado em nenhum delito, porque não está suspenso pelo STF de “falar com as pessoas” ou exercer sua “militância partidária”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s