O PODER E O DESASTRE

Os petistas, acuados, estão vivendo num estado misto de transe e tara política, orientados por seus líderes e, com isto, levando o país para o caos institucional. O encontro clandestino de Dilma Roussef e Ricardo Lewandowski para tratar da Operação Lava Jato, em Portugal, demonstra que não há mais qualquer resíduo de pudor, decência e vergonha no comando da República. Em nenhuma circunstância Lewandowski poderia ter se encontrado com Dilma, fora de uma agenda protocolar e pública, muito menos para tratar de assunto que vai desaguar no Judiciário, que ele preside. Cornelius Castoriadis escreveu, no ensaio a Indústria do Vazio, a propósito da decadência moral da academia francesa, um diagnóstico que se aplica à nossa República dos tempos atuais. Transcrevo pequeno trecho: ” ‘Na República das Letras’ há – ou havia, antes da ascensão dos impostores – costumes, regras e padrões. Se alguém não os respeita, cabe aos outros chamá-lo à ordem e pôr o público de sobreaviso. Se isso não é feito, a demagogia incontrolada, como se sabe de longa data, conduz à tirania. Ela engendra a destruição – que progride ante nossos olhos – de normas e comportamentos efetivos, públicos, sociais, que estão pressupostos na busca em comum da verdade. Aquilo porque somos todos responsáveis, precisamente enquanto sujeitos políticos, não é verdade intemporal, transcendental, da matemática; se ela existe, ela está imune a todo o risco.

O que é de nossa responsabilidade é a presença efetiva dessa verdade na e para a sociedade em que vivemos. E é essa presença que está sendo arruinada tanto pelo totalitarismo como pela impostura publicitária. Não se insurgir contra a impostura, não a denunciar, equivale a tornar-se co-responsável por sua eventual vitória… . A democracia só é possível onde há um ethos democrático: responsabilidade, pudor, franqueza, controle recíproco e consciência aguda de que as vantagens públicas são também vantagens pessoais de cada um de nós. E, sem um tal ethos, não pode mais haver República, mas apenas pseudoverdades administradas pelo Estado, pela mídia.

Castoriadis está constatando que a degeneração moral e a empulhação destroem a democracia. O Congresso é ainda o poder mais representativo do povo e é do povo que o único poder legítimo emana. Não podem os congressistas, diante de tamanha degradação, se omitir mais uma vez. Se o fizerem, diante do atual quadro de ruína moral daqueles que ocupam os mais altos cargos da República, preocupados apenas em sobreviver em suas posições, a qualquer preço e por meio de negociatas clandestinas, estará escancarada a porta da insegurança institucional, estarão revogadas as nossas garantias jurídicas e, em consequência, um estado de coisas fora da lei pode tomar conta do país.

Não podemos confiar, apenas, na atuação heroica de um magistrado, no caso o juiz Sérgio Moro e na devassa que ele está fazendo nos porões dos mecanismos de corrupção entranhados na Petrobrás e Eletrobrás. As ações de Moro estão limitadas por sua jurisdição e todas se encaminharão para os tribunais superiores. Enquanto isto, o PT se sustenta no poder por meio de arranjos obscuros e de um mandato cuja legitimidade material já não existe. A cada dia que passa, mais surgem elementos que provam a sua articulação com esquemas de corrupção com empreiteiras, entranhados na administração da Petrobrás e da Eletrobrás.

Estes esquemas atingem diretamente a presidente da República, que perdeu toda a autoridade recebida das urnas para governar com base em padrões éticos. Dilma Roussef não é mais do que uma desgraçada personagem de folhetim político vulgar, que só permanece no cargo porque seu partido conta com a sustentação de uma elite que domina a mídia e patrocina aquilo que Castoriadis chama de administração de pseudoverdades. Fosse um político de outro partido, editoriais sucessivos e indignados já teriam, há muito tempo, exigido a sua renúncia. Se nossas elites corromperam-se pela adesão psicótica ao petismo, como se observa numa simples leitura de um grande jornal brasileiro, cabe a maioria esmagadora do povo preservar sua sanidade e exigir que esta farsa continuada, desastrosa para a nação, tenha fim.                                                                                                                                                                                                       Por Luis Milman. Artigo publicado em 11.07.2015

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s